Header Ads

Governo de Sergipe despede-se do prefeito de Canindé do São Francisco



 Fotos: Marcelle Cristinne/ASN

Na manhã desta segunda-feira, 06, o governador Jackson Barreto compareceu ao velório e ao sepultamento do prefeito de Canindé do São Francisco, Orlandinho Andrade. Junto à população do município e aos familiares, o governador prestou homenagens ao gestor, que faleceu neste domingo, 05, em decorrência de problemas de saúde. Orlandinho ocupava pela terceira vez o mandato como chefe do Executivo municipal da cidade do Alto Sertão sergipano.
Jackson Barreto, durante seu discurso em homenagem a Orladinho, destacou a simplicidade do prefeito e o amor dele pelo povo de Canindé do São Francisco. Apesar de não ser filho do município, Orlandinho teve grande atuação política na localidade e também em Canhoba e Nossa Senhora de Lourdes.

“Presto ao povo de Canindé, a essa querida família Andrade, a qual nós respeitamos e queremos bem, ao prefeito que, agora, assumirá o mandato, as condolências não apenas do governador do Estado, mas de Jackson Barreto, amigo de Orlandinho, a quem devia muito da minha vida pública. Quero aqui registrar o sentimento não apenas de gratidão, como de afeto e reconhecimento ao povo do Sertão e de Canindé. Deus é quem traça os rumos da nossa vida. É ele quem determina a hora que chegamos e que devemos partir. E é com esse pensamento de reconhecer que acima de nós está o poder do senhor salvador do mundo, Jesus Cristo, que estamos aqui, buscando a conformação de todos nesse momento de muita dor e saudade”, declarou Jackson.


O governador ressaltou que, apesar de debilitado pela saúde, Orlandinho sempre estava preocupado com a população do município. “Nunca vi na história de Canindé um cidadão amar tanto seu povo como Orlandinho. Nos momentos mais difíceis da vida dele, quando sua situação de saúde não recomendava qualquer atividade de ordem pessoal, nós sentíamos que, mais que o remédio que o médico passava para confortá-lo e melhorar a saúde dele, ele dizia para todos que queria ser levado para Canindé para ver seu povo e melhorar da saúde. Orlandinho é amado e querido pelo seu povo por sua simplicidade. Estou aqui hoje não apenas como governador do Estado, mas como cidadão Jackson Barreto para dizer ao povo de Canindé que, nesse momento, o que precisamos é fazer nossas orações e pedir a Deus que dê a Orlandinho paz e tranquilidade. Ele vai estar sempre olhando para Canindé. E concluo minhas palavras oferecendo um abraço a todos que estão presentes. Orlandinho, vá em paz. Você aqui na Terra cumpriu a sua missão. Estamos aqui para honrar o seu legado, sua história e seu amor ao povo de Canindé de São Francisco”, disse Jackson durante seu pronunciamento.
Assim como falou da atenção que Orlandinho tinha para com o povo de Canindé, Jackson comentou sobre a manifestação popular durante a cerimônia de velório do prefeito. “Está aí a prova do bem querer da população de Canindé, que se reúne nesse ginásio de esportes, que está totalmente lotado. A tristeza tomou conta de todos, que acompanhavam há muito tempo o problema de saúde de Orlandinho, mas que não esperavam um desenlace da forma tão abrupta que aconteceu e que deixou todos mais entristecidos. Tenho certeza que Canindé teve um grande líder e homem público, uma pessoa vocacionada para servir ao seu povo. O que lamentamos profundamente é ver a morte, despedida dele e sua saída da vida pública e da prefeitura de Canindé num momento em que há mais sofrimento da população com essa seca. Esse é um momento muito difícil o qual o Sertão vivencia. Em nome do Governo do Estado quero deixar minha mensagem de saudades, de reconhecimento ao homem público e agradecer por tudo que ele fez em favor do povo de Canindé do São Francisco, particularmente para os movimentos sociais, os quais Orlandinho sempre foi muito ligado. A prova que o povo está dando aqui com participação muito grande no seu sepultamento é sinônimo do trabalho e da obra que ele fez em favor da população. O Governo do Estado se solidariza com o povo do município de toda a região e com toda a família. O nosso sentimento é de profundo pesar”.
Em sua fala, o vice-governador, Belivaldo Chagas, evidenciou o amor de Orlandinho pelo município que abraçou como seu e a dedicação em prol dos canindenses. “Perde o povo de Canindé, perde Sergipe e perdemos todos que pudemos conviver com Orlandinho, que era uma pessoa muito boa e que tinha um carinho especial pelo povo de Canindé. Muito embora não tenha nascido na região, ele adotou o município como sua terra natal e fez questão, inclusive, de ser enterrado aqui. A gente só tem a lamentar e prestar solidariedade à família nesse momento”.
Para o prefeito de Aracaju, Edvaldo Nogueira, Orlandinho deve ser lembrado pela sua humildade. “Conheci Orlandinho há muitos anos. Quando estudava no Salesiano, na década de 70, estive em Lourdes e o conheci, pois eu era colega de turma de Kaká, seu irmão. Na política, atuamos juntos como prefeitos de 2006 até 2012. Orlandinho foi um dos maiores prefeitos da história de Canindé, um homem querido, que as pessoas adoravam. Ele é importante para o povo de Canindé, atendia bem ao povo, era um homem humilde, alegre e maravilhoso. Sempre nas dificuldades Orlandinho tinha uma palavra de alegria, esperança e felicidade. Por isso que todos nós sentimos muita falta dele e essa morte, que, apesar da doença dele, não era esperada. A expectativa era que Orlandinho se curasse e ficasse bom. Mas, infelizmente, Deus, na sua infinita sabedoria, levou Orlandinho, porém deixa para nós o legado, a alegria, a capacidade, o gosto pelas pessoas, a amizade, enfim, ele vai deixar um vazio muito grande na política e para a população de Canindé. Tenho certeza que o exemplo dele servirá para que todos nós, políticos, possamos nos espelhar para construir uma sociedade melhor. Lamento profundamente a perda e, se Deus quiser, Orlandinho vai estar no céu, pois foi um homem que fez o bem”.
Já o secretário de Estado da Inclusão Social, Zezinho Sobral, lembrará de Orlandinho pela sua obstinação e pela maneira como ele encarava as dificuldades de cabeça erguida. "Orlandinho não franzia a testa, eu não o via aborrecido e nem contrariado. Era sempre obstinado, determinado em suas ações. Era uma alma boa, alguém que nos levava aos risos, que descontraía os ambientes e que não perdia seu foco. É um grande amigo, uma pessoa muito querida e amada por todos, especialmente aqueles que tiveram a oportunidade de conviver com ele. Tive essa chance e sou muito agradecido por isso. Ele é um grande espelho para nós, e alguém que enfrentou as dificuldades da vida sem ser bruto e ignorante. Orlandinho era avesso a tudo isso, tinha carinho, atenção e palavras de amizade, e era acima de tudo, espirituoso. Descontração, riso e a alegria eram a tônica de Orlandinho. Ele ria de si próprio, dos outros e fazia a vida ficar bem melhor. A companhia dele era muito grata. Tenho admiração por ter convivido e ter aprendido com ele. É uma perda muito grande. Mas entendo, chegou a sua hora. Que ele esteja bem e em paz, porque ele é um cara do bem".
“A vida é muito dinâmica e por ser dinâmica nos faz sorrir e nos faz chorar e nesse momento é o choro que nos une, o sentimento da dor dos canindenses e da família Andrade. E é o meu choro também, pelo sentimento verdadeiro que eu tinha por Orlandinho, não apenas como político e sim como um homem que fez parte do meu círculo de amigos, conversávamos muito sobre os destinos de Canindé e eu posso dizer que abracei o seu o projeto e da família Andrade. Nesse momento, vejo os corações partidos pela perda do nosso amigo Orlandinho. Estão de luto a família, os canindenses e Sergipe, pois perdemos um ícone da política canindense", declarou o agora prefeito de Canindé do São Francisco, Ednaldo da Farmácia.
Segundo o irmão de Orlandinho, Antônio Andrade, mais conhecido como Kaká, o prefeito de Canindé faleceu devido a complicações de saúde. Ele conta que o organismo do irmão estava debilitado por conta das sessões de radioterapia, realizadas para tratamento de um câncer, e que uma veia se rompeu no tórax, levando a ocorrência de hemorragia. 
“Na sexta foi descoberta a ferida na garganta. No sábado de manhã ele foi internado para fazer o tratamento intravenoso, ele precisava de um tratamento de choque e quando o médico disse que o exame [para constatar se o câncer havia retornado] tinha dado negativo, eu queria que vocês vissem a transformação que ele sofreu, voltou a fazer planos para Canindé. Ele pagou três salários em 53 dias e qual foi sua felicidade, o sorriso ia de orelha a orelha. Nunca vi uma pessoa se realizar tanto em fazer o bem como Orlandinho. Mas essas duas irradiações deixaram consequências em sua traquéia, câncer não havia mais, mas havia o perigo de não sanar a ferida. O médico explicou que essa região é cheia de vasos e se um deles se rompesse, ele iria embora. Por mais que a fé nos mova e você acredite, infelizmente o que ficou foi essa dor dilacerante”, explicou.
Kaká Andrade lembrou ainda da personalidade do irmão e reconheceu que ele ficará marcado na história recente do município de Canindé como um de seus prefeitos mais atuantes. “Ele deixa esse legado de homem público dotado de uma sensibilidade ímpar, dedicação ao seu povo, nunca vista, um homem que carregava esse povo por onde ia. Orlandinho tinha um magnetismo que conquistava a todos, nas mais diversas classes sociais, ricos, pobres, cultos e incultos. Ele encantava. Era um encantador de gente. Orlandinho, enquanto prefeito, se confundia com as pessoas, ia até onde o povo estava. Orlandinho gostava de gente, tratava gente como gente e por isso ele era idolatrado, não como uma figura num pedestal, mas na adoração que as pessoas tinham por ele”.
Biografia
Orlando Porto Andrade completaria 58 anos na próxima terça-feira, 07. Foi eleito prefeito de Canindé do São Francisco pela primeira vez em 2004 e reeleito em 2008. Teve uma das maiores vitórias nas eleições de 2016, quando obteve 71,29 % dos votos válidos (12. 796 votos).
Fonte: ASN
Tecnologia do Blogger.

NOTÍCIAS ALEATÓRIAS

Recentes